Annotation

Mais vale só? A regra, que gostamos de acolher e aplicar quando se trata de afirmar ou sublinhar personalidade e independência, escapa-se ao absoluto – tudo depende do momento. E, já agora, das companhias. Na viagem musical de Paulo Gonzo, uma daquelas que se ri da linha recta como trajecto recomendado a adoptar entre dois pontos, este abrir de portas aos parceiros de voz fica longe de ser algo inédito mas ganha agora a sistematização e a intensidade de um capítulo autónomo. Antes, já as cumplicidades tinham aberto a porta a Olavo Bilac ou a Lúcia Moniz, só para citar dois exemplos. Mas fica a ideia de que nenhum antipasti seria capaz de nos preparar para a verdadeira diáspora – geográfica, cultural, estética – que o cantor assume agora, uma espécie de big bang que solta luzes novas e intensas a cada explosão, ou seja, a cada encontro. Que diabo!, quem já foi bluesman, cantor de soul, rocker, parente próximo do jazz, crooner, baladeiro, até fadista – e Paulo Gonzo já foi tudo isto, de pleno direito e com eficácia absoluta – tem como crédito toda a legitimidade para continuar a crescer, algo inevitável quando se partilha sem reservas, e para, ao mesmo tempo, se divertir e nos estender a nós o prazer em estado puro.

Este álbum de Paulo Gonzo, o mesmo homem que colecciona êxitos em Português e que nunca abdicou de mostrar como é incondicional do soul e dos blues (basta apanhar as pérolas espalhadas ao longo do currículo de gravações ou concentrarmo-nos no irrepreensível disco By Request), vale como um autêntico menu de degustação. Passe a expressão e fique a ideia, porque não há exageros nem repetições, porque a cadência é de surpresas consecutivas, porque os sabores ganham as asas dos melhores contrastes, porque a única lógica é a da qualidade e a única lei é a da diferença, percorrida canção a canção. Não se pense, no entanto, que o homem que serve de interface às canções e aos contornos deste disco sempre cozinhado em equilíbrios de risco se encosta a qualquer espécie de exibicionismo ou de desleixo. É precisamente o contrário que ocorre, quando Paulo Gonzo é chamado pelos talentos daqueles que sabia e instintivamente convocou a respostas absolutamente distintas entre si. Sem nunca se afastar da sua própria alma de conhecedor curioso e de descobridor destemido.

Façam o favor de seguir as propostas à la carte. Tudo começa com um crooning de sonho, que parecia estar guardado para as vozes do anfitrião e da espantosa Ana Carolina, brasileira universal. É verdade que o original do tema até é italiano, que Ana Carolina a chamou ao Português há mais de uma dezena de anos, mas a convergência de dois privilegiados para uma história de adeus (será mesmo?) dá ao enredo uma nova dimensão. Logo a seguir entra em cena Anselmo Ralph, representante maior do balanço sedutor e da doce “malandrice” angolana – a passadeira estendida ao português é aproveitada para outro exemplo da multiplicidade de paixões de Paulo Gonzo. Vem depois um encontro de mestres, chamado Jorge Palma para um contraponto que, aos primeiros versos, já é um clássico. Vale a pena lembrar que este Só já passou pela voz de Gonzo, há mais de quinze anos (Voz e Guitarra, 1997) mas só agora cria espaço para a presença do autor. Com a andaluza India Martínez, a conversa é outra, com flamenco e salero em fundo, com uma vibração que não se confunde. Quando cabe ao italiano Mário Biondi assegurar a sua réplica a Gonzo, podíamos estar a ouvir a resposta de Barry White a Ray Charles – não é dizer pouco sobre as alturas alcançadas no dueto que é uma das chaves de todo o álbum.

Sem darmos por isso, que as boas novas não se cronometram, já foi desbravada quase metade deste disco. Ficou dado o mote: um tempero para cada compasso, um perfume para cada diálogo, uma dimensão para cada guião. Sem problemas, deixamo-nos guiar até à América Latina, para que o mexicano Carlos Rivera recupere, mano a mano, o êxito que é Fascinación. A passada africana está de volta, outra vez com Angola (e Matias Damásio), mais adiante com Cabo Verde (e esse viajante de tantos mares que é Tito Paris). Mas não se dispensa o slow assolapado, Talk To Me Instead, capaz de convocar uma gloriosa desconhecida, mas só até agora – Tammy Payne. Ainda se descobre um lugar especial para que Fafá de Belém venha derramar mais-valias sobre Vais Entender, que Paulo Gonzo deixa à solta para uma versão em que se percebe que, entre o melhor de Portugal e do Brasil, não há mesmo longe nem distância. Se é possível falar de despedidas num registo em que a boa tentação é voltar ao princípio, baralhar e deixar correr o shuffle do iPod, o tom é o certo, quando Rui Reininho assina a versão feliz de These Foolish Things e o saudoso Bernardo Sassetti passeia pelo piano, em fundo ou bem à vista. Faz-se justiça, dentro da multiplicação dos gostos.

Paulo Gonzo é, desta vez, o cicerone que tem espaço para caminhar em todas as direcções, nunca cedendo aos sentidos obrigatórios. Não precisa de ser o “macho alfa” de uma alcateia de notáveis cantores porque lhe cabe, naturalmente, a condução dos acontecimentos. Não cansa, ouvi-lo. Nem nos cansamos de abraçar, com o aplauso, com a emoção, com a fidelidade que merecem os que mantêm a luz acesa, cada um dos passos deste cantor que, tantos anos e tantas cantigas depois, ainda nos arrebata e comove e convence. Volto quase ao princípio: mais vale sê-lo que parecê-lo. Paulo Gonzo é – e não está só, como fica demonstrado. ~João Gobern, Novembro 2013

Annotation last modified on 2016-10-24 12:13 UTC.

Tracklist

Medium 1
# Title Artist Rating Length
1 Quem De Nós Dois
Paulo Gonzo feat. Ana Carolina 5:07
2 Ela É…
Paulo Gonzo feat. Anselmo Ralph 3:45
3
Paulo Gonzo feat. Jorge Palma 4:10
4 Vencer Ao Amor
Paulo Gonzo feat. India Martínez 4:38
5 Woman Woman
Paulo Gonzo feat. Mario Biondi 3:29
6 Fascinación
Paulo Gonzo feat. Carlos Rivera 3:47
7 A Outra
Paulo Gonzo feat. Matias Damásio 5:01
8 Talk To Me Instead
Paulo Gonzo feat. Tammy Payne 4:21
9 Negra
Paulo Gonzo feat. Tito Paris 3:05
10 Vais Entender
Paulo Gonzo feat. Fafá de Belém 5:02
11 Coisas Soltas… (These Folish Things)
Paulo Gonzo feat. Rui Reininho & Bernardo Sassetti 4:58

Credits

Release Group

Discogs: https://www.discogs.com/master/775716 [info]